quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

ENTRE A FLOR E O PARAFUSO


ENTRE A FLOR E O PARAFUSO.

Lá vão eles
Lá vão eles que somos nós
Marchando às pressas, empurrando
Nadando num mar de ansiedades sem uma triste bússola
Sem tempo para sorrir sem tempo para amar
Apenas tempo para correr

Escravos de outros escravos
Acorrentados por algemas psíquicas
Mais escravos que os escravos dos navios negreiros
Fiéis vassalos de uma nova ordem que só tem uma ordem
Correr, correr, correr
Atras de uma recompensa pré-fabricada
Sem tempo para pensar sem tempo para se situar

Neste universo de universos infinitos
Um homem só, sem tempo para parar, só tempo para correr
Um homem só, a correr, a correr, a correr
Entre as montanhas de concreto da cidade

Ande, pare, consuma... Ande, pare, consuma... Ande, pare, consuma...
Não há mais tempo para sonhar, não há mais tempo para dormir
E nos sonhos a ansiedade matar
Apenas sinais, sinais, sinais.
Ande... pare... ande... pare... Volkswagen... Coca-cola, www
Anda robô, anda robô
Entre a cultura massificada e rotulada
Tu és feliz, tu és feliz, tu és feliz

Tu vives na era tecnológica mas não tens tempo para sorrir
Não tens tempo para chorar
Apenas tempo para correr
Correr, correr correr
Fazer parte da coisificação humana
Numa natureza que se transformou
Num amontoado de alavancas, pregos e parafusos
Onde não há lugar para a flor

E passaram-se mil, cinco mil, trinta mil anos
Um dia um homem sereno, tranquilo
Leu sobre o século vinte e não acreditou que aquilo existiu
Acariciou a flor que estava ao seu lado
E que tinha o mesmo perfume de sempre
Beijou-a eternamente, sorriu

Simão Goldman 

Eu nos anos 80 tive o privilegio de ler o livro: A civilização do consumo em massa entre a flor e o parafuso de Simão Goldman e desde então me encantei com essa poesia, não tenho mais o livro, mas de algum modo ainda me surpreendo com a ideia de que já no inicio dos anos 80 a nossa sociedade precisaria deixar de se basear no consumo e na ostentação da propriedade, para valorizar o ser humano em sua essência. Um ótimo livro eu recomendo, infelizmente já esta esgotado a muitos anos.

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More